Full width home advertisement

Post Page Advertisement [Top]


(fonte:Google Imagens)

Acordo cedo as 08:00 a.m.

Me levanto, escovo os dentes, preparo um café e vou até a porta para pegar o jornal, coloco o jornal em cima da mesa e pego o café.
É uma manhã linda, o clima está nublado, está frio, tudo que uma pessoa como eu deseja para ficar em casa. Abro o jornal e me deparo com a notícia, "Marcados pelo mal", dou uma risada sarcástica, mas me interesso pelo assunto, o texto dizia:

"Nesta madrugada três casa pegam fogo, aparentemente não foi incêndio criminoso já que os bombeiros não encontraram nada fora do comum no local, segundo os bombeiros na mesma hora porém em locais diferentes e sem nenhum grau de parentesco entre elas, três vítimas. Três crianças ambas de apenas seis anos. terá uma caminha hoje em memória das crianças e..."

Faço uma cara de assustado, e imediatamente olho para a data fico mais assustado ainda, saio correndo para o meu escritório para fazer alguns cálculos e anotações, o resultado não me agrada.

-Não... não pode ser, mas que droga!

Pego o meu casaco e as chaves do  carro. Saio com pressa para a tal caminhada para ver se encontro os pais das vítimas. Eu já trabalhei com casos sobrenaturais, sou famoso por conseguir resolve-los, já vi coisas inacreditáveis nessa vida, mas esta é a primeira vez que eu sinto o medo me dominar.

Logo percebo um grande grupo de pessoas andando pelas ruas com flores nas mãos, decido seguir o grupo.
Chegamos no final da caminhada, no cemitério onde se inicia o velório, avisto a mãe de Alice, e logo vou em direção a ela dizendo:

-Senhora? Sinto muito pela sua filha.

-Obrigado, uma garota tão jovem.- Ela chorava muito enquanto falava . -Era tão doce...

-Senhora, eu trabalho com alguns fatos e esse me chamou muita atenção, aliás meu nome e David Lewis.

-Eu já ouvi falar de você. Você é aquele homem dos casos sobre-humanos não é?! me chamo Amandha. Mas o que você tem haver com a morte de minha filha? foi apenas  um acidente.

-Eu prefiro usar o termo sobrenatural. Mas, eu preciso saber o que houve naquela noite, ou o que você se lembra, as vezes o seu "Acidente" tenha sido planejado.

-Eu já falei mas ninguém acreditou, eu estava com ela no colo e o fogo surgiu de repente e então...

-Calma, o fogo surgiu de repente?

-Sim. As coisas foram muito rápidas, comecei a correr com Alice no colo, então ela começou a me morder a gritar, pensei que era o medo, mas não, ela queria ir em direção ao fogo, chegou um momento em que ela me jogou para longe... Nunca vi tamanha força em uma criança, eu cai no chão e ela foi para o fogo antes dos bombeiros chegarem, eu vi...
-Viu o que?

-Eu vi... eu vi uma criatura surgir do fogo e pegar no ombro de minha filha, eu nunca vi nada igual.

Amandha encosta em meu ombro, e começa a chorar, estou em estado de choque, mas abraço ela. Ela se acalma e eu me despeço:

-Muito obrigado Amandha, mas agora eu preciso ir, meus pêsames pela sua perda.
Acabo de falar e me viro de costas, e me dirijo ao meu carro, preciso interrogar outras pessoas.

Continua....
Não percam o próximo capitulo de Conectados pelo mal


Escrito por: Vinicius Melgaço
Adaptado por: Camila Cruz
Disponível em: Ler Pode Ser Assustador e Não Entre Aqui

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Bottom Ad [Post Page]